Tornando
simples
o complicado

As Novidades

A liderança Cooperativa

Muito se tem escrito, discutido e refletido sobre liderança e líderes e seu papel nas organizações e nas sociedades.

O assunto também tem ganhado, cada vez mais destaque nas empresas brasileiras de qualquer porte. E, realmente o assunto merece a relevância, pois são as lideranças que fazem as tarefas, as metas e os resultados aparecerem.

Independente da origem da liderança, ou seja, se nata ou inata, a verdade é que o líder é alguém diferenciado dos demais, e essa diferença aparece toda vez que temos situações que exigem alguém com habilidades de planejamento, que tenha uma visão mais global, uma tomada de decisão rápida e que saiba avaliar cenários.

Parece que o líder planejador, visionário e o líder da tarefa, que é o mais comum encontrarmos, são os que as organizações mais têm conseguido desenvolver, e o resultado disso é a evolução das empresas e sociedades. No entanto, essas características não são as que fogem de traços mais individualistas, ou seja, para se desenvolver essas características de liderança nos centrando nos traços individualistas se relega o segundo plano o aspecto relacional da liderança. Se realmente as organizações investissem no líder com foco nas relações interpessoais os resultados seriam ainda maiores.

A sociedade do século XXI vive seu maior paradoxo: homens cada vez mais individualistas e com dificuldades de aproximar-se de outro ser humano, mesmo com todo o ferramental tecnológico disponível que nos fizeram encurtar as distâncias e a urgência de soluções mais coletivas, que beneficiem a um número maior de pessoas para que o equilíbrio humano nesse planeta se mantenha. Ora, soluções mais coletivas passam por um líder que tenha características mais relacionais e solidárias, um líder cooperativo ou solidário com o seu grupo. Portanto, quando falamos em liderança nas organizações não podemos mais esquecer que o ambiente que atuamos mudou e deverá mudar muito mais e que líderes com acentuadas características individualistas não serão capazes de resolver toas às questões que se apresentam e que exigem interdependência.

E o que significa um líder cooperativo? É o líder que põem suas características de liderança a serviço do desenvolvimento das pessoas de seu grupo, que estabelece relações com os membros de sua equipe, a partir da ajuda mútua, que entende que é na promoção de relações mais harmônicas e solidárias que o clima organizacional torna-se saudável e que o espaço grupal passa a ser palco de desenvolvimento não apenas do líder, mas de todos que compõem sua equipe.

Se olharmos para a nossa sociedade veremos que esse líder parece ainda muito distante nas nossas empresas porque os níveis de competição são ainda muito altos e, simbolicamente precisamos destruir a competência do outro e a educação também não nos tem ajudado quando ainda privilegia o individuo ao invés do grupo social e que ainda temos espaço para os líderes messiânicos que irão resolver todos os nossos problemas.

Líder cooperativo não é salvador, mas busca conscientizar cada um como responsável para construir uma solução seja para o seu grupo, seja para sua empresa, seu condomínio, bairro ou cidade.  Nesse sentido levamos para dentro das organizações o componente de ajuda que é pouco explorado como fator motivacional e pouco levado em conta na hora de formarmos e buscarmos as características de liderança.

Acredito que esse líder terá mais espaço, à medida que a própria sociedade se conscientizar que na raiz dos nossos problemas está à falta de solidariedade, o pouco tempo que disponibilizamos para investirmos nas relações e o quanto nos preocupamos para que as pessoas que convivem conosco descubram realmente quem são através de suas habilidades, atitudes e emoções.

Um líder cooperativo tem como meta o desenvolvimento das pessoas e não só de resultados numéricos, até porque, no momento em que desenvolvemos os talentos das pessoas, os resultados aparecem não só na forma de números, mas também, em criatividade e em inovação.

A cooperação não deve ser o mote somente das ONGs, porém de todas as empresas que realmente queiram pensar mais no AMANHÃ, e não somente no HOJE. Para isso, devem valorizar mais a ajuda, cooperação, e humildade como características de seus líderes. Seguramente isso nos remeterá a um exercício pessoal dos líderes de diminuírem seus egos descritos no best seller  - o Monge e o Executivo de James Hunter.... a liderança servidora.

 

Maria Zeli Stelmack Rodrigues