Tornando
simples
o complicado

As Novidades

Gestão de Pessoas

O grande desafio de qualquer pessoa ao ser promovido na carreira Gerencial é fazer a Gestão de Pessoas.E a primeira pergunta que se impõem é: Porque é tão difícil?  Bem podemos fazer uma retrospectiva da evolução do papel das pessoas nas organizações e vamos encontrar que os líderes eram preparados  para desenvolver suas competências técnicas que além de sua especialização incluíam conceitos  de planejamento, indicadores, qualidade, etc...e quase nada de Gestão de Pessoas, ou seja, tudo era muito intuitivo e sem desenvolvimento dessas competências interpessoais.

Esse cenário vem mudando gradativamente, talvez não na velocidade que gostaríamos uma vez que ouvimos muito as organizações falarem sobre a importância de conhecer o cliente, conhecer os concorrentes, fusões, parcerias estratégicas, gestão do conhecimento, inovação ,porém, pouco se faz para conhecer melhor cada um de seus colaboradores internos, para desenvolver uma comunicação eficiente e eficaz e ainda extrair o máximo de seu potencial individual e das respectivas equipes.

As pessoas sempre foram  a preocupação e o tema da área de Recurso Humanos, pois lá havia gente que entendia de gente!!

Bem já evoluímos para a premissa que  são os gestores que passam a maior parte do tempo com suas equipes, portanto, são eles que precisam fazer a gestão das pessoas e, para tanto as organizações começaram a fazer investimentos nas competências interpessoais de seus gestores.

Também “descobriu-se” que todos podem lidar com gente, pois somos todos gente!! No entanto, a tarefa não tem sido tão fácil, pois inicialmente exige desenvolver habilidades e atitudes que não estamos acostumados a por em prática no mundo organizacional  como: paciência, flexibilidade, entender que cada colaborador é um ser único, que tem reações e necessidades diferentes.

Muito se tem escrito sobre os papéis da liderança e ainda escutamos algumas pessoas dizerem que determinado cargo de liderança não exige a gestão de pessoas. Ora se tenho uma tarefa e um grupo de pessoas a executar naturalmente que esse líder necessita fazer a gestão das pessoas.

 

E fazer a gestão das pessoas significa que esse gestor deve ficar com um olho na tarefa, ou seja, se o processo está bem descrito, acompanhar as fases, antecipar-se aos pontos críticos, examinar custos e projeção de resultados. Mas o outro olho está nas pessoas, se estão desenvolvendo todas as habilidades, se há motivação, se a informação circula, se a comunicação é transparente, se há confiança e respeito entre os membros e avaliar desempenho.

Acabou??!! Não o gestor ainda tem o desafio de transformar o seu grupo de pessoas em equipe.

Mas o que gostaríamos de chamar  atenção é que não podemos imaginar tarefa sem pessoas, as organizações custaram muito a entender que a separação cartesiana não ajuda a chegar aos bons resultados financeiros, pessoas exigem muito, pessoas não são lineares, mas são elas que fazem os resultados e, quanto mais capacitada minha liderança em gestão de pessoas melhores serão esses resultados.

Investir em uma gestão de pessoas competente  é a melhor estratégia que uma organização pode fazer ,pois pessoas são a renovação,a  criatividade e a competitividade e os líderes são os propulsores e os condutores dessa estratégia.  Os líderes  tem o compromisso  de a cada dia aprender mais sobre suas equipes – aprender e gostar de gente, só assim pode-se fazer gestão    de pessoas.

 

Maria Zeli S. Rodrigues – Consultora da e - saberes